Portuguesa assassinada a tiro pelo marido na Suíça

Cadáver foi encontrado pelo filho do casal.

0
96
Rua do bairro de Chêne-Bougeries, em Genebra, Suíça, onde José matou a mulher e tentou suicidar-se Foto Direitos Reservados

Uma emigrante portuguesa foi assassinada a tiro pelo marido, numa casa em Chêne-Bougeries, nos arredores de Genebra, na Suíça.

Isabel, de 48 anos, foi encontrada já cadáver pelo filho do casal.

A brigada criminal deslocou-se ao local pelas 20h25 locais (19h25 em Lisboa), de terça-feira, tendo o Ministério Público já mandado instaurar um inquérito à morte da portuguesa.

A polícia foi chamada ao local pelo filho do casal, que, quando chegou a casa, viu a mãe morta e o pai ferido, depois deste se ter tentado suicidar. Ao tentar abrir uma janela do apartamento, também este acabou por sofrer ferimentos.

“É uma família portuguesa bem integrada, muito amigável. Nunca causou qualquer problema”, disse um vizinho ao jornal ‘Tribune de Geneve‘. Segundo o mesmo, a mulher tinha dois filhos e era avó.

Encontra a mãe morta a tiro pelo pai em casa

Vítima, de 48 anos, foi assassinada ao voltar de passear o cão.

Um emigrante português na Suíça, de 54 anos, matou a tiro a mulher, de 48, dentro do apartamento onde residiam, em Genebra. O homicida usou a mesma pistola para disparar depois sobre si próprio.

Maria Isabel Silva, a vítima, foi vista pela última vez à hora de almoço de terça-feira, enquanto passeava o cão. O casal residia num apartamento do bairro de Chêne-Bougeries. Os vizinhos disseram a jornalistas que Maria Isabel estava “sorridente”. Voltou a casa, onde já estava Manuel Nogueira, o marido. Horas depois os vizinhos foram alertados “por dois barulhos vindos da casa”. Fonte judicial suíça disse ontem ao CM que os amigos contactaram o filho do casal, de 21 anos. Ao chegar a casa, o jovem deparou-se com o cadáver da mãe e o pai inconsciente.

O óbito de Maria Isabel foi confirmado pelos paramédicos. Henri Della Casa, porta-voz do Ministério Público de Genebra, disse ao CM que o “corpo foi levado para autópsia”. O homicida, pedreiro, está internado. Mantinha-se vivo ontem , em estado “muito grave”.

O casal tinha ainda uma filha de 31 anos e um neto, que residem no mesmo bairro. Manuel Nogueira está inscrito no consulado português, mas Maria Isabel não.

Fonte: CM