Imigrantes da UE que não conseguirem emprego em seis meses terão de deixar o Reino Unido

0
112

Depois da iniciativa da Suíça e da Alemanha é agora a vez do Reino Unido tomar decisões sobre a emigração em massa e desemprego

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou esta sexta-feira uma série de medidas contra a imigração na União Europeia (UE) e admitiu que serão necessárias mudanças nos tratados europeus.

Segundo o primeiro ministro , imigrantes comunitários terão de deixar o Reino Unido se não conseguirem emprego no prazo máximo de seis meses e deverão trabalhar por quatro anos antes de receberem alguns benefícios, numa tentativa de acalmar as críticas sobre a sua política de imigração.

Segundo a imprensa inglesa desta manhã este pacote de medidas restringe ainda o direito aos imigrantes de trazerem membros da família para o país.

Cameron prometeu pressionar a UE e defendeu que a liberdade de circulação na Europa não é “um direito absoluto”.

O primeiro ministro britânico espera que a eliminação de benefícios como acesso a créditos e a moradias sociais venha travar a chegada ao Reino Unido de trabalhadores menos qualificados .

O anúncio foi recebido com críticas pelo líder trabalhista Ed Miliband, que disse que o primeiro-ministro não tinha “credibilidade” em relação à imigração.

“As pessoas não vão acreditar em novas promessas na medida em que ele não cumpriu as anteriores”

O líder do partido de extrema-direita Ukip, Nigel Farage, afirmou que Cameron levou dez anos para Cameron perceber a seriedade do problema e disse que não se pode controlar a imigração enquanto se é membro da UE. O partido, que defende a saída do país do bloco europeu, tem vindo a conquistar cada vez mais adeptos.

in Notícias, Reino Unido