Emigrante e casal executados a tiro

Corpos descobertos no Brasil, a dois metros da fronteira com o Paraguai.

0
43
António Almeida tinha 64 anos e cinco filhos Direitos Reservados
Quando a polícia brasileira se aproximou do Fiat branco, deparou-se de imediato com o corpo de António Manuel Martins de Almeida, um emigrante português de 64 anos, caído no chão. O homem, natural do Montijo, foi executado com três tiros.
No banco traseiro do carro, a polícia encontrou os corpos de um casal brasileiro. Também tinham sido mortos a tiro. A polícia tenta encontrar explicações para esta tripla execução, que aconteceu na cidade de Ponta Porã, que faz fronteira a sul entre o Brasil e o Paraguai. Aliás, o corpo do português estava, segundo a imprensa brasileira, a apenas dois metros da linha que separa os dois países.
No local do homicídio as autoridades encontraram vários invólucros de calibre 9mm. Acreditam que uma quarta pessoa estava com as vítimas no carro – seria o pendura – e que, por alguma razão, tenha morto António Almeida, bem como Vânia Gloria Britez Gimenes, de 24 anos, e Adriano Augusto de Jesus , de 28.
O crime ocorreu na madrugada de sábado. O homicídio foi detetado pela polícia paraguaia numa patrulha noturna. Estranharam ver o carro parado junto a uma estação de serviço que estava encerrada. Ao aproximarem-se deram com os corpos e alertaram os colegas brasileiros.
Segundo a polícia brasileira, o emigrante português já tinha cumprido pena de prisão efetiva pelo crime de tráfico de droga, encontrando-se, atualmente, em regime de liberdade condicional. O português deixa cinco filhos.