Torre de Alcofra Vouzela

IPA: Monumento

Nº IPA: PT021824010017

Designação: Torre de Alcofra

Localização: Viseu, Vouzela, Alcofra

Acesso: Em Alcofra, no denominado Cabo da Vila

Protecção: Inexistente

Enquadramento: Urbano, em vale, isolado e destacado, inserido em largo rodeado de vários edifícios e alminha.

Descrição: Planta quadrangular simples, de disposição verticalista, com fachadas em alvenaria de granito aparente e remates em cornija, apresentando no piso térreo, pequenas frestas. Fachada principal, voltada a SE., com porta em arco apontado, a um nível elevado, encimada por janelão em arco abatido, ambos ostentam, na base, mísulas em cantaria. Fachada lateral esquerda, virada a SO., tendo, no piso superior, um janelão em arco apontado e mísulas na base. As fachadas NO. e NE. possuem, no último piso, janelão em arco abatido. INTERIOR com vestígios de ter possuído três pisos *1.

Descrição Complementar: Não definido

Utilização Inicial: Militar: atalaia / Residencial: torre

Utilização Actual: Devoluto

Propriedade: Pública: municipal

Afectação: Sem afectação

Época Construção: Séc. 12 / 13 / 14 (conjectural) / 16 / 17 (conjectural)

Arquitecto | Construtor | Autor: Desconhecido.

Cronologia: Séc. 12 / 13 / 14 – construção do imóvel, com função de vigia, sobre um primitivo castro lusitano; séc. 16 / 17 – provável intervenção no imóvel, com abertura dos vãos em arco abatido no piso superior; 2001, 24 Julho – lançamento do concurso pela Câmara Municipal de Vouzela, para tratamento, consolidação e valorização da torre, bem como a dinamização do espaço envolvente, fazendo reviver as tradições locais, de produção de vinho e artesanato.

Tipologia: Arquitectura militar e arquitectura residencial, medieval.Torre de planta quadrada, com características defensivas, com acesso único por vão em arco abatido, em posição elevada, que teria acesso por escadas removíveis, com frestas no piso inferior.

Características Particulares: Torre situada em vale fértil, com função de residência senhorial e de defesa, muito arruinada no interior, sendo visíveis vestígios de três pisos assoalhados, o superior rasgado por janelas em arco abatido, rasgadas em período posterior. Remata em cornija.   Dados Técnicos Estrutura autoportante.

Materiais: Granito.

Bibliografia: LEAL, Augusto Soares de Azevedo Barbosa de Pinho, Portugal Antigo e Moderno, vol. I, Lisboa, 1873; ALMEIDA, João de, Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses, Lisboa, 1945; MARQUES, Jorge Adolfo de Meneses, Carta Arqueológica do Concelho de Vouzela, Vouzela, 1999.

Documentação Gráfica: IHRU: DGEMN/DREMC

Documentação Fotográfica: IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMC

Documentação Administrativa: CMV

Intervenção Realizada: CMV: 2001 – obra de recuperação e requalificação.

Observações: *1 – segundo a tradição local, tinha um túnel, que ligava ao Monte Gralheiro.

Autor e Data: João Carvalho 2001
Fonte www.monumentos.pt