Igreja de Vila Nova de Paiva

A Igreja Matriz erguida num ponto um pouco elevado em relação à rua principal e na qual se integrou uma secção museológica que reúne um importante espólio de arte sacra dos séculos XI a XX, é digna de uma visita demorada.

Segundo Alberto Correia será construção dos começos do século XVII. Dentro do edifício restam vestígios e um templo românico que poderá ter existido nesse local ou noutro e do qual se aproveitaram alguns elementos: as colunas que sustentam o coro e a pia baptismal. A contrastar com a singeleza destes elementos, o interior da capela-mor impressiona pelo esplendor da talha dourada de tipo barroco no minuciosamente trabalhado altar-mor e pelos rebuscados tectos que a cobrem. Quarenta e nove quadros de rico trabalhado ilustram no tecto da capela-mor a árvore genealógica de Jesus segundo o Evangelho S. Mateus. Entre o espólio da paróquia destaca-se uma Cruz Processional dos fins do século XI. É uma valiosa peça de arte de cobre dourado gravado a buril que reúne características do estilo bizantino, da tradição moçarabe e do românico -e na qual está inscrito JHS NAZARENUS REX JUDEORUM.

Capelas Na parte mais antiga da vila e por entre o casario de aspecto rústico, sobressaem duas singelas capelas brancas: uma de invocação a Santo António, um pequeno nicho de feições simples e a outra a S. Francisco, espaçosa e mais alta que a igreja, é actualmente utilizada como capela funerária e cujo campanário serve de torre do relógio.