Carmindo de Carvalho e a sua paixão pela escrita

0
139

Carmindo de Carvalho nasceu na Moimenta da Beira, na Aldeia Nagora, e sente uma grande força de se dar a conhecer através da escrita, O seu primeiro livro foi editado no ano de 2000. De uma só vez, através dos novos métodos de publicação na net, publicou 4, ao que classifica como a saga de 8 anos de escrita. Começou pela poesia, e agora aventurou-se no mundo dos contos, das crónicas, como ele próprio diz que são retalhos do seu dia-a-dia. É casado, pai de três filhas, avô, e aos 55 anos sente a intensidade da procura de algo que espera encontrar através dos seus livros. Assim, apresentou de uma só vez os livros “ Entre os olhos e Folhos”, “ Entre margens”, “ Entre as ondas de ar e amar”, e “ Conversas em papel”. O Carmindo de Carvalho vive em Rorschach, cantão de St. Gallen, tem 55 anos e é operário fabril. Chegou à Suíça no ano de 1985. Adelino Sá – Como é que te aparece o gosto pela escrita? Carmindo de Carvalho – Não sei como é que apareceu o gosto pela escrita. Talvez pela necessidade de dizer algo. Todos nós temos algo para dizer. A falar ou a escrever todos nós temos a necessidade de dizer coisas. Como cidadão, temos sempre uma opinião sobre qualquer assunto e temos o direito de a manifestar… AS – Foi assim que apareceu o teu primeiro livro que foi editado em 2000? CC – Sim… A escrita é uma descarga, é algo muito forte. A minha escrita tem muitos engulhos, porque se não escrevesse talvez já tivesse explodido. Sinto a necessidade de escrever… AS – Mas como é que explicas a saída de 4 livros ao mesmo tempo? CC – Porque é muito difícil entrar nas editoras ditas clássicas, que estão infestadas de tubarões, de grandes interesses e compadrios, é então muito difícil, para mim, que sou um trabalhador, um operário fabril. Assim, estes 4 livros são a safra de 8 anos, dado que não conseguia entrar nesse mundo de edição, então através da net, que é um tipo de edição diferente, que é também um modo de lutar contra esses tubarões das editoras. Esta forma de editar é fácil simples e barata. Fácil de se paginar, de conceber as capas, e não temos depois o peso de sermos rejeitados ou censurados. Ou até de ficar meses à espera de uma resposta de um editor. AS – Falemos destes livros. Tens agora dois livros de contos, como é que aparecem? CC – São contos do dia a dia. Coisas da emigração, alguns assuntos foram vividos por mim, muito deles não o foram, outros relatam de forma fictícia o que a realidade me deu a conhecer, mas que não se podem dizer abertamente. Alguns contos são retalhos biográficos da minha juventude, muito romanceados, história de quando eu trabalhava com minha burra, a minha companheira de trabalho e de brincadeiras…para além dessa faceta da poesia, tenho contos, é romance, são crónicas, que nem eu próprio sei qualificar, se é bom, se é mau…. AS – Será criticas ao estado actual da sociedade? CC – Também. Um é mais biográfico. O outro é mais ácido, mais agressivo, com artigos de opinião… o livro é o “Entre margens” , que podem ser as margens do rio, do mar, este título surgiu-me pela margem do nosso país: Portugal. A margem que são as nossas culturas, com as nossas diversidades, sociais e económicas, vivências do dia-a-dia, assim, as margens que me refiro, são a minha análise ao que encontro, ao que penso sobre o nosso país. Num destes livros tem ainda uma conversa, tipo monólogo, que são coisas que gostaria de ter dito à minha mãe e que não tive oportunidade de o fazer . Saí cedo de casa, e naquela altura não era fácil criar 7 filhos. Naquele tempo não havia as máquinas para ajudar. Iam com cesto da roupa para os tanques lavar…eram tempos difíceis. AS – Que é que procuras com os teus livros? Reconhecimento? CC – É óbvio que sim. Qualquer pessoa que edita espera por reconhecimento, ou pelo menos quer ser ouvido…não é ? Gostava mesmo que as instituições, sejam elas quais fossem, que investissem mais neste tipo de escrita, porque é uma actividade que não tem nenhuma visibilidade a não ser os grandes tubarões como já me referi. Todos os outros, estão atrofiados, metidos na gaveta, amordaçados, no fundo, porque as televisões só investem em charoupadas… é de facto uma grande luta andar a dar a conhecer o nosso trabalho. Mas devo referir que é uma luta que me dá muito prazer e é por isso que cá estou.